Menos herbívoros grandes poderia significar um Antropoceno menos verde

This post is also available in: English Français

Paisagens naturais não surgem espontaneamente. Uma floresta, por exemplo, é uma obra de trabalho coletivo: inúmeras gerações de plantas que recolhem nutrientes do solo, e animais — especialmente herbívoros — comendo essas plantas e através da defecação espalhando seus nutrientes por toda parte. Estas criaturas literalmente fertilizam o mundo. Se as pessoas querem um planeta mais verde no futuro, é hora de apreciar o que eles fazem.

“Grandes herbívoros são especialmente importantes para a dispersão de nutrientes vitais”, escreve Christopher Doughty, um ecologista da Universidade do Norte do Arizona, em um estudo publicado pela Nature Ecology & Evolution. Ele sugere que grandes herbívoros da era do gelo “possam ter aumentado as concentrações de nutrientes em escala continental” — um serviço ecológico herdado por milênios e prejudicado pelo declínio contínuo desses animais.

A pesquisa anterior descreveu o papel da distribuição de nutrientes dos animais e também ressaltou a importância de grandes herbívoros, cujo tempo de digestão lenta permite percorrer longas distâncias antes de defecar e, assim, fertilizar vastas áreas de terra. Tem sido difícil, no entanto, quantificar precisamente as suas contribuições em escala paisagística.

Para investigar isto, Doughty analisou a composição do carvão, que é formado pela planta fossilizada e matéria animal, a partir de dois períodos geológicos: o Pennsylvaniano, cerca de 300 milhões de anos atrás, quando grandes herbívoros ainda não haviam evoluído, e o Cretáceo, que começou 145 milhões de anos atrás e contou com um conjunto inteiro de enormes dinossauros herbívoros. Se os grandes herbívoros são realmente importantes transportadores de nutrientes, considerou Doughty, as assinaturas químicas desses depósitos de carvão refletiriam uma diferença na composição do solo.

Foi exatamente o que ele encontrou. Nutrientes importantes para plantas e animais, como o magnésio, fósforo, cálcio e potássio, ocorreram em concentrações superiores em cerca de 136% no período Cretáceo em comparação aos solos no período Pennsylvaniano — o legado, Doughty supôs, de saurópodes alimentados em zonas úmidas e sua exploração do solo para o interior das terras. Embora essas espécies estejam extintas, os princípios ecológicos ainda se aplicam, ainda que de maneira preocupante.

“Atualmente há poucos animais grandes capazes de distribuir nutrientes através das paisagens e nós também restringimos esse movimento com cercas”, diz Doughty. “A perda de nutrientes é um processo lento, mas estamos lentamente deixando de alimentar nossos ecossistemas com nutrientes-chave.” Ele estima que as extinções e as pressões de caça durante os últimos 12.000 anos reduziram os fluxos de nutrientes contemporâneos para mais de 90% em comparação aos valores da era do gelo.

Além desta redução geral, a ausência de grandes herbívoros viajando longas distâncias, significa que os nutrientes podem ser espalhados de forma desigual. “As distribuições de nutrientes continuarão a se tornar cada vez mais fragmentadas”, diz Doughty. “Algumas áreas terão muitos nutrientes, causando a eutroficação, e outras poderão ter poucos.” As consequências exatas ainda não são sabidas, mas conduzirá provavelmente a mudanças a longo prazo na abundância e na distribuição de plantas. Os solos do Antropoceno podem produzir um mundo menos rico em vegetação.

“Populações de grandes herbívoros selvagens estão atualmente em baixas históricas; portanto, estamos potencialmente perdendo um serviço fundamental para o ecossistema”, escreve Doughty. “Deveríamos ter uma atenção especial em conservar nossos animais grandes remanescentes.”

Source: Doughty, Christopher E. “Herbivores increase the global availability of nutrients over millions of years. Nature Ecology & Evolution, 2017

Image: Sarah / Flickr

 

Independent, nonprofit journalism
for a livable planet  |  published by Future Earth

Share This

Share This

Share this post with your friends!