Com invasores no cardápio, um pássaro em extinção prospera

This post is also available in: English

Nos pântanos da Flórida, vive a população do gavião-caramujeiro do extremo norte, uma ave de rapina tropical delgada que até recentemente se alimentava exclusivamente de caramujos aquáticos. À medida que agricultores e municípios desviaram água de um vasta área úmida, o número de caramujos despencou, assim como o gavião-caramujeiro, e nos primeiros anos do século 21, apenas algumas centenas sobreviveram.

Aproximadamente naquele período, os primeiros caramujos invasores apareceram na Flórida. Originalmente nativos da América do Sul e possivelmente liberados de aquários, eles estão estreitamente relacionados aos caramujos — Pomacea maculata a Pomacea paludosa — mas são fisicamente muito maiores: em comparação aos nativos do tamanho de uma bola de golfe, os recém-chegados podem inchar nas dimensões de uma bola de beisebol. Eles proliferaram rápido, preocupando conservacionistas que temiam que o P. maculata destruisse a vegetação e superasse as espécies nativas. Os gaviões-caramujeiros, com bicos adaptados para comer menores P. paludosa, esperava-se que fossem morrer de fome.

Mas isso não aconteceu. Em pouco mais de uma década, os gaviões-caramujeiros se adaptaram. ” Os gaviões-caramujeiros parecem estar crescendo muito com bicos desproporcionais, ” relataram os pesquisadores coordenados por Robert Fletcher, um ecologista da Universidade da Flórida, na revista Nature Ecology & Evolution. ” As taxas de crescimento da população de gaviões-caramujeiros têm aumentado desde a invasão do P. maculata.” Mais de 2000 pássaros ameaçados agora têm êxito na sua nova dieta.

Fletcher e seus colegas dizem que os corpos e bicos dos pássaros são cerca de 10% mais largos agora do que quando a invasão começou, isso permite que eles carreguem melhor os caramujos invasivos e espiem suas conchas. “Uma resposta tão rápida de um predador nativo de vida longa é notável” eles escreveram, dado que a evolução geralmente progride lentamente e de forma incremental, e se passaram apenas duas gerações desde o começo da invasão.

Em vez de uma seleção natural favorecendo alguns indivíduos afortunados, entretanto, os gaviões-caramujeiros se beneficiaram do que se conhece como plasticidade fenotípica: a capacidade dos indivíduos de responder a mudanças ambientais. É a plasticidade fenotípica que permitiu aumentos nutricionais dramáticos nas populações humanas afluentes durante o século 20. No caso dos gaviões-caramujeiros, ressalta o potencial dos vertebrados de vida longa em se adaptarem aos invasores — uma habilidade que “permanece em grande parte desconhecida,” escreve a equipe de Fletcher,  e é promissora para outras espécies.

As descobertas se encaixam em uma controvérsia em curso sobre a natureza das invasões. Para muitos conservacionistas, eles são o flagelo responsável por erradicações e extinções. Outros consideram a ameaça um pensamento exagerado: eles argumentam que os invasores são frequentemente um sintoma e não uma causa direta do colapso da biodiversidade, podem na verdade enriquecer ecossistemas restaurando processos ecológicos perdidos ou adicionando novos tópicos para redes alimentares.

É um debate que não será resolvido por nenhum estudo — mas nos pântanos da Flórida, pelo menos, caramujos invasores são uma dádiva para um pássaro em risco de extinção inesperadamente adaptável.

Source: Cattau et al. “Rapid morphological change of a top predator with the invasion of a novel prey.” Nature Ecology & Evolution, 2017.

Image: Julio Mulero / Flickr

About the author: Brandon Keim é um jornalista freelance especializado em ciência, animais e natureza e autor The Eye of the Sandpiper: Stories From the Living World. Conecte-se com ele pelo TwitterInstagram and Facebook.

 

Share This

Share This Article