Podemos acelerar a criação de florestas antigas?

This post is also available in: English Español

Talvez um por cento das florestas que cobriram a América apenas alguns séculos atrás ainda estão de pé”. O mesmo pode ser dito da Europa, América do Norte e Oriente Médio. A terra em uma era de dominação humana, está tristemente desprovida de florestas antigas, e muitos séculos, se não milênios devem passar antes de ressurgirem novamente — a menos que talvez a antiguidade possa ser projetada.

“A complexidade que define as florestas antigas”, escreve Paul Smith para a revista Biodiversity and Conservation,” poderiam ser compostas em escala de tempo de menos de um século”.

Smith, um botânico da Universidade de Bistrol, não afirma que árvores verdadeiramente antigas poderiam ser criadas um curto espaço de tempo. Mas muitos outros aspectos de florestas antigas — um termo específico para o Reino Unido, em outros lugares conhecidos como florestas de crescimento primitivo ou clímax  — poderiam ser criadas. “Fac-símile de florestas antigas”, como Smith as chama, proporcionaria uma retenção valiosa de carbono e outros serviços ecossistêmicos e forneceria casas para espécies não encontradas em outros lugares. Em um nível mais filosófico, poderiam ser uma correção útil para as culturas industriais pouco acostumadas em observar mais do que alguns trimestres econômicos para o futuro.

Parte do artigo de Smith é dedicado a descrever a termodinâmica subjacente da ecologia: como os ecossistemas evoluem ao longo do tempo para processar mais energia, um princípio que guie o processo de fac-símile. Os fungos e os liquens poderiam ser adicionados aos solos relativamente empobrecidos de florestas ainda jovens; flora da floresta cultivada em viveiros e replantadas, mudas compostas em reprodução de árvores ocas; invertebrados de movimentos lentos transplantados de bolsas próximas de florestas antigas remanescentes. Adequadamente orquestrada isto desencadearia o que Smith chama de “biodiversidade cascata”, com novas espécies criando nichos para outros organismos cuja chegada, por sua vez, abre novos nichos.

Processos de composição comunitária que normalmente levam séculos poderiam ser empacotados por um longo período. “A intenção é acelerar a sucessão natural,” escreve Smith que diz que aspectos desse programa já estão inclusos em alguns projetos de restauração ecológica. Eles simplesmente não se combinaram com um foco consciente na reprodução da antiguidade. Para ilustrar o que é possível, ele menciona as florestas tropicais nubladas da ilha de Ascensão, um afloramento vulcânico rochoso a meio caminho entre África e América do Sul.  Sua vegetação exuberante é descendente de espécies de jardins botânicos plantados por marinheiros há apenas um século. Não é uma floresta antiga de fac-símile, diz Smith, uma vez que a espécie é uma nova mistura que não se encontra em nenhum outro lugar,  mas sua vegetação “demonstra o que pode ser alcançado com menos intenção ecológica do que estou planejando”.

Algumas objeções vêm rapidamente à mente. Talvez a definição da antiguidade fac-símile, comparável ao real, corre o risco de desvalorizar as antigas florestas que ainda permanecem. “Esse argumento surge frequentemente e entendo o ponto”, diz Smith, mas enquanto “a verdadeira antiguidade não pode ser recriada, nem sempre é protegida”. Mesmo que as florestas antigas sejam veneradas, elas continuam a ser destruídas. Os projetos de restauração que inspiram são baixos na lista de ameaças. Talvez o desafio de recriar a antiguidade, nos ensine a valorizar ainda mais a antiguidade real.

Fonte: Smith, Paul L. “Copying ancient woodlands: a positive perspective.” Biodiversity and Conservation, 2017.

Image:Image: Sang Trinh / Flickr

Sobre o autor: Brandon Keim é um jornalista freelance especializado em ciência, animais e natureza e autor de The Eye of the Sandpiper: Stories From the Living World. Conecte-se com ele pelo Twitter, Instagram e Facebook.

Share This

Share This Article