Vincular o clima extremo às mudanças climáticas poderia ajudar na redução das emissões de carbono

This post is also available in: English Français

Para a América do Norte, Leste e Central, 2018 trouxe o começo de ano mais frio em várias décadas, com temperaturas de até 50 graus Fahrenheit abaixo do normal em algumas áreas. A onda de frio provocou risos previsíveis para aqueles que não acreditam em mudanças climáticas.

Mas cientistas indicaram que o resto do mundo não está somente mais quente do que o normal, é mais provável que as mudanças climáticas provoquem um inverno rigoroso no leste da América do Norte. Embora ainda seja difícil vincular qualquer onda de frio em particular ou outro evento climático com as mudanças climáticas, esses cientistas poderiam ter uma estratégia poderosa para lutar contra as mudanças climáticas, de acordo com um novo estudo.

A análise, publicada em 1º de janeiro pela Nature Climate Change, sugere que identificar as impressões digitais das mudanças climáticas em condições climáticas extremas, poderia motivar as pessoas a reduzir as emissões de carbono e, assim, ajudar a limitar as mudanças climáticas.

Até agora, a maioria dos modelos climáticos presumiram que as pessoas continuarão a fazer o que estão fazendo para causar emissões de carbono, mesmo que mudanças climáticas aconteçam e as ondas de calor, tempestades e secas piorem. Mas não é necessariamente o caso, os pesquisadores dizem.

Para explorar o ciclo de feedback entre clima e comportamento, eles combinaram um modelo padrão de clima com uma teoria conhecida de mudança do comportamento humano. Os pesquisadores utilizaram projeções de temperatura do modelo climático para determinar a probabilidade de eventos climáticos extremos e, em seguida, usaram a parte social do modelo para prever a influência desses eventos extremos em comportamentos causadores de emissões. Por sua vez, esses comportamentos causadores de emissões, então, retornaram ao modelo climático para afetar a próxima rodada de projeções de temperatura.

Eles realizaram 766.656 simulações, variando diferentes parâmetros e características do modelo, para analisar quais fatores têm maior influência na mudança de temperatura. Eles descobriram que, se as pessoas respondessem às mudanças climáticas incipientes de maneiras específicas, a quantidade final de aquecimento poderia ser muito menor do que o modelo climático sozinho poderia prever.

A análise sugere que, para manter o aquecimento ao mínimo, as pessoas têm que acreditar que o comportamento de limitação de emissões é visto como a coisa certa a fazer, e elas têm que acreditar que tomar medidas para limitar as emissões é viável.

Limitar o aquecimento também depende da escolha de estratégias de mitigação que sejam cumulativas – mudanças de longo prazo que tendem a se fortalecer, como infraestrutura, adoção de veículos híbridos e mudança de políticas públicas e regulamentos – e não aquelas que podem ser facilmente revertidas, como mudar a configuração do termostato ou conduzir menos.

Finalmente, as menores mudanças climáticas também ocorreram em execuções do modelo que assumiram que as pessoas seriam altamente sensíveis a percepções de risco de eventos climáticos extremos no início.

É aí que entra a estratégia de aprender a identificar quando os eventos climáticos extremos estão ligados a mudanças climáticas. Há evidências de que condições climáticas extremas e mudanças de longo prazo no clima local podem aumentar as preocupações das pessoas sobre mudanças climáticas. A cobertura de mídia sobre eventos distantes de condições climáticas extremas também pode aumentar a conscientização e preocupação.

“As políticas que facilitam a atribuição oportuna e confiável de eventos extremos a mudanças climáticas podem aumentar o risco percebido de mudanças climáticas de forma bastante rápida e facilitar mudanças nos comportamentos de emissões “, escrevem os pesquisadores. Em outras palavras, precisamos ter um alerta coletivo sobre mudanças climáticas o mais rápido possível.

Source: Beckage B. et al. “Linking models of human behavior and climate alters projected climate change.” Nature Climate Change. 2018.

Image: Brian Hawkins via Flickr.

 

Independent, nonprofit journalism
for a livable planet  |  published by Future Earth

Share This

Share This

Share this post with your friends!